Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de junho de 2012

O segredo da verdadeira liberdade

Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres (Gálatas 5.1a NTLH).
Quando nos tornamos discípulos de Cristo, desenvolvemos as atitudes do verdadeiro seguidor de Jesus, experimentamos o perdão de Deus, que nos liberta do pecado, e passamos a viver pela graça, conforme Gálatas 1.6: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.
Por meio de Seu sacrifício na cruz do Calvário, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, garantiu-nos o privilégio de sermos filhos de Deus e comissionou-nos para darmos continuidade à Sua missão de implantar o Seu Reino na terra. Nesse Reino, as pessoas são livres para viver o evangelho, que transforma o ser humano no corpo, na alma e no espírito.
O segredo da liberdade que temos em Cristo não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir aos outros. Porém, isso só acontecerá quando deixarmos Jesus reinar em nossa vida e formos repletos e transbordantes do Seu amor.Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade (Gálatas 5.13).
O amor é a palavra-chave de toda liberdade sadia. Quem ama vive bem e promove o bem-estar do outro. Porém, somente desfrutará da verdadeira liberdade concedida por Cristo aquele que ama a Deus, ama a si mesmo e ao seu próximo.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Deus Pode Usar Pessoas com Falhas Para Cumprir Seus Planos?

Se é bem-sucedido, obviamente vem de Deus. Certo? Se traz benefício espiritual, não resta dúvida! É assim que muitas pessoas julgam pessoas e obras dos homens, imaginando que o fim justifique o meio, e até prove a aprovação de Deus das pessoas usadas para o bem dos outros. Deus pode usar pessoas com falhas para cumprir seus planos? Ele pode permitir que alguém sirva para ajudar outros, e ainda reprovar aquele mensageiro?
As aplicações deste raciocínio são muitas. Alguns justificam o adultério porque Davi era homem segundo o coração de Deus (Atos 13:22). Outros defendem práticas erradas nas igrejas (mulheres pregando, todo tipo de show musical, atividades de entretenimento, apelos materialistas, etc.) porque servem para encaminhar algumas pessoas para Cristo. Num mundo de marketing e comércio, não deve nos surpreender que o “lucro” no final da folha de balanço se torne o único medidor importante.
Mas o estudo da palavra deixa bem claro que o julgamento de Deus é outro. Ele frequentemente usa pessoas com falhas, e até atos errados destas pessoas, para cumprir seus planos. Jamais devemos distorcer este fato para justificar o erro. Considere:
Perez era filho de Judá e Tamar, e se tornou antepassado de Jesus (Mateus 1:3). Mas a relação deles envolvia promessas quebradas, engano e prostituição (veja Gênesis 38). Deus usou estas pessoas, mas não aprovou os pecados delas. A genealogia de Deus inclui adúlteros, assassinos, idólatras, etc. Deus usou pessoas com falhas para trazer Jesus ao mundo!

Deus o Vê Como um Valente!

Juízes 6.12-16
Deus está constantemente lutando com a imagem que formamos de nós mesmos. Você pode se lembrar quando recebeu uma incumbência para realizar algo importante? Como você reagiu ou respondeu àquele encargo? Alguns dizem: “Eu não sou capaz e para mim não dá!” Outros dizem: “Não sei se tenho tal capacidade, mas já que fui escolhido, farei o melhor que puder com a sua orientação!”
Quando alguém nos pede para que façamos algo importante, é porque já fomos avaliados e a pessoa que nos avaliou, viu em nós aquilo que nunca vimos, ou seja, a “capacidade” para realizarmos algo especial. Quando você é chamado para realizar algo importante, significa que você está sendo valorizado; então, não se desvalorize!
Em nosso texto bíblico, nós lemos que o Anjo do Senhor apareceu a Gideão pedindo-lhe que libertasse o povo de Israel dos midianitas. As primeiras palavras que Gideão ouviu foram estas: (…) Você é corajoso [i.e. poderoso guerreiro, homem valente, valoroso], e o SENHOR está com você! (6:12) Esta era a imagem que Deus fazia de Gideão, mas qual a imagem que Gideão tinha de si mesmo? (…) Senhor, como posso libertar Israel? A minha família é a mais pobre da tribo de Manassés, e eu sou a pessoa menos importante [i.e. o menor, insignificante] da minha família. (6:15)
É bom salientar, que Gideão possuía “crenças erradas” acerca de Deus e que provavelmente, estas lhe foram passadas por pessoas do seu convívio. (cf. 6:13)
- Se Deus estava com o Seu povo, por que tanto sofrimento?
- Se Deus estava com o Seu povo, por que Ele não realiza mais milagres?
- Se Deus estava com o Seu povo, por que o havia abandonado?

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Rompendo as barreiras do sofrimento

Ser ou não servos de Deus não nos deixa imunes ao sofrimento, nem ás dores, doenças, injustiças, decepções... Jesus disse: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passai por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (Jo. 16.33).
Podemos constatar em nossas vidas as palavras do Mestre.“Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, e os meus sofrimentos... que variadas perseguições tenho suportado!. De todas, entretanto, me livrou o Senhor. Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.”(2 Tm. 3.10-12). O sofrimento nos confirma como membros da raça humana em geral e do povo de Deus em particular.
Muitas vezes vivenciamos ódio, raiva e ressentimento em nossa alma, associados às lembranças dolorosas. Esses sentimentos atualizam diariamente a dor que um dia sofremos. Remoemos a mágoa, relembramos a ofensa, revivemos a dor, ruminamos o sofrimento, dando assim poder ao que nos feriu ontem de ferir hoje e amanhã também..
O ressentimento muitas vezes se apresenta como obstáculo à obra restauradora de Deus e do seu Santo Espírito. O Senhor quer nos curar, mas, nós nos recusamos a esquecer, a deixar para trás, a olhar para frente.
O sofrimento associado ao ressentimento, produz a escravidão. Ficamos presos à tristeza, amarrados ao passado e começamos a ficar parecidos com aqueles que nos ofenderam. “A quem perdoais alguma cousa, também eu perdôo; porque, de fato, o que tenho perdoado, se alguma cousa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo; para que satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhes ignoramos os desígnios. “ (2 Co. 2.10,11).

A Verdade Sobre Festas Juninas

Existe no decorrer do ano, diversas datas que são definidas como feriado, seja, municipal, estadual ou nacional. Mas, há uma questão muito séria que encontra-se por trás de alguns destes feriados, são dias santos, por conseqüência consagrado há alguma entidade venerada por multidões; isso é uma forma de devotar louvor ou veneração a personagens declarados como santos (1Co 10.19,20).
As comemorações de São João fazem parte de um ciclo festivo que passou a ser conhecido como festas juninas e homenageia santos reverenciados em junho: Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo .
Se pesquisarmos a origem dessas festividades, perceberemos que elas remontam a um tempo muito antigo, anterior ao surgimento da era cristã. De acordo com o livro O Ramo de Ouro, de sir James George Frazer, o mês de junho, tempo do solstício de verão (no dia 21 ou 22 de junho o Sol, ao meio-dia, atinge seu ponto mais alto no céu, esse é o dia mais longo e a noite mais curta do ano) no Hemisfério Norte, era a época do ano em que diversos povos - celtas, bretões, bascos, sardenhos, egípcios, persas, sírios, sumérios - faziam rituais de invocação de fertilidade para estimular o crescimento da vegetação, promover a fartura nas colheitas e trazer chuvas.
No Hemisfério Norte, as quatro estações do ano são demarcadas nitidamente; na região equatorial e nas tropicais do Hemisfério Sul, o movimento cíclico alterna o período de chuva e o de estiagem, mas ainda assim o ciclo vegetativo pode ser observado da mesma maneira - alteração na coloração e perda das folhas, seca e renascimento.
O que ocorre com a natureza é algo semelhante à saga de Tamuz e Adônis, que submergem do mundo subterrâneo e retornam todos os anos para viver com suas amadas Istar e Afrodite e com elas fertilizar a vida.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

A Benção de Deus Pode Estar Numa Tempestade

2 Reis:2.11
I. Introdução
Neste verso lemos isto: “…e Elias foi levado aos céus num redemoinho". É impressionante esta revelação pois nos mostra que Elias foi levado aos céus, algo que é bom e desejado por todos nós, quando estava num redemoinho.”
Um Redemoinho chega a ser definido nos dicionários de língua portuguesa como uma tempestade de vento em forma de espiral. Estar num redemoinho, pode não ser uma experiência muita boa, pois seu movimento é rápido, causado pelo cruzamento de ventos agitados. Mas, foi num redemoinho que Elias foi conduzido a Deus.
Mas o que me chama atenção é que Deus usou um elemento da natureza, uma tempestade com ventos fortes e agitados para conduzir Elias até o céu. Creio eu que o profeta chegou ao céu sem nenhum arranhão ou trauma. 
Como Deus é tremendo! …aquilo que é perigoso, que possui poder destrutivo… é domado por Deus… é subjugado, dominado por Ele. E Pode ser usado por Ele ser usado por Ele a nosso favor. 
Podemos pensar neste redemoinho como os momentos difíceis da nossa vida, as tempestades que chegam, os problemas que surgem. 
Fiquei pensando nisto e reparei que redemoinhos representam tempos de tensão em nossas vidas, que o Senhor Deus Todo-Poderoso usa para falar conosco, ou nos aproximar mais dEle. 
Redemoinhos são compostos por ventos de forças contrárias, são ventos contrários. Porém Deus fez Elias subir ao céu em meio a estas forças contrárias. 
Amado: se você está passando por um período de tensão em sua vida, se você está envolvido por uma tempestade de ventos contrários… ouça: Deus domina redemoinhos! Deus aplaca a fúria dos ventos fortes… Deus abranda o poder destrutivo do mal, porque Ele mesmo, é o Deus criador e Todo-Poderoso! Ele é Senhor absoluto sobre nossas lutas e aflições. Aleluia!
Você está tenso com alguma coisa? …Confia em Deus, e Ele usará o redemoinho para fazê-lo você subir mais alto! Amém? 

O Senhor Satisfaz Todos os Nossos Desejos?

“Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.” (Sl 37.4, ARA)
O texto acima tem sido interpretado de maneira equivocada por muitos, na medida em que afirmam que tudo que desejarmos, na medida em que nos agradarmos ou nos deleitarmos no SENHOR, poderemos conquistar. Afirmam: você pode ser o que quiser e ter o que quiser. Você pode ser rico, ter a casa que quiser, o carro que quiser, ser pastor de um grande ministério, ser um conferencista internacional, etc. O que os referidos pregadores e mestres não deixam claro é o significado de agradar-se ou deleitar-se no SENHOR.
O termo hebraico para “agrada-te” ou “deleita-te” é ´anagh, que pode significar a capacidade de ser flexível. Dessa forma, a satisfação do desejo do nosso coração depende da nossa capacidade de flexibilizar a nossa vontade diante da vontade de Deus.
Um texto que deixa isso muito claro é 1 João 5.14-15:
“E esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito.” 
Observe que a garantia de termos o que pedimos depende do conhecimento da vontade de Deus para a nossa vida. Na medida em que conhecemos esta vontade (geral e específica), e nos deleitamos nela, ou seja, aceitamos esta vontade e buscamos esta vontade, o SENHOR a cumprirá de forma plena em nossa vida.

sábado, 16 de junho de 2012

7 Coisas Que Deus Nunca Viu



Deus é um “Ser” existente por si mesmo, é Espírito, infinito, eterno, inimitável em seu Ser, sabedoria, santidade, justiça, amor, supremo criador do Universo.
Deus é onipotente em seu Poder ilimitável, para Ele nada é impossível – Lucas 1:37. Deus é onipresente, Ele está em todo lugar – Salmos 139:7-10. Deus é onisciente, porque conhece todas as coisas – Ezequiel 11:5 – Hebreus 4:6. Deus também é misericordioso – Salmos 103:8-18. O conhecimento da sua misericórdia é a base da nossa esperança – Salmos 130:7, como também é a base da nossa confiança – Salmos 52:8.
É tão grande a sua Misericórdia para com a humanidade que há coisas que Deus nunca viu:
1 – DEUS NUNCA VIU UM HOMEM QUE ELE NÃO POSSA AMAR:
Certo poeta inspirado disse: “Se o mar fosse tinta, e o céu fosse papel, se as árvores fossem pincel jamais descreveríamos o amor de Deus”.
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” – João 3:16.
“Ninguém tem amor maior do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” – João 15:13.
2 – DEUS NUNCA VIU UM PECADOR QUE NÃO POSSA SALVAR:
Deus não ama o pecado, porém ama o pecador. E para um grande pecador há um grande Salvador. 
“Se confessarmos os nossos pecados Ele é fiel e justo para nos perdoar...” – 1 João 1:9.
3 – DEUS NUNCA VIU UM DOENTE QUE NÃO POSSA CURAR:
Para uma grande enfermidade há um grande Médico. “Eu Sou o Senhor que te sara” – Êxodo 15:26.
4 – DEUS NUNCA VIU UM PROBLEMA QUE NÃO POSSA RESOLVER:
Para um grande problema temos um grande advogado. “Se pedirdes alguma coisa em meu nome eu farei” – João 14:14.
“...temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo” – 1 João 2:1.
5 – DEUS NUNCA VIU UM SUBSTITUTO PARA O SANGUE DE JESUS:

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Dia dos Namorados: a celebração do amor

O Dia dos Namorados é uma data comemorativa, não oficial, destinada aos casais de namorados, pretendentes e apaixonados. É tradição a troca de presentes, bombons e cartões com mensagens de amor entre namorados ou pessoas que se amam. Aqui no Brasil, esta data é comemorada em 12 de junho. Em outros países, como nos Estados Unidos, por exemplo, a comemoração ocorre em 14 de fevereiro (Dia de São Valentim – Valentine’s Day).
História da data (14 de fevereiro) - Origem do Dia de São Valentim
A comemoração desta data remonta o Império Romano. Um bispo da Igreja Católica, São Valentim, foi proibido de realizar casamentos pelo imperador romano Claudius II. Porém, o bispo desrespeitou a ordem imperial e continuou com as celebrações de matrimônio, porém de forma secreta. Foi preso pelos soldados e condenado à morte. Enquanto estava na prisão, recebeu vários bilhetes e cartões, de jovens apaixonados, valorizando o amor, a paixão e o casamento. O bispo Valentim foi decapitado em 14 de fevereiro do ano 270. 
Em sua homenagem, esta data passou a ser destinada aos casais de namorados e ao amor. A comemoração passou a ser realizada todo 14 de junho, principalmente, na Europa e, posteriormente (século XVII), nos Estados Unidos.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Testemunho eficaz Ser conhecido pelo (bem) que faço

“Contamos o que temos visto e 
ouvido para que vocês estejam unidos 
conosco, assim como nós estamos unidos 
com o Pai e com Jesus Cristo, 
o Seu Filho.” I João 1:3.
Objetivos  
Compreender o papel do testemunho eficaz para o crescimento do reino de Deus. 
Enumerar pontos positivos e pontos negativos relacionados
com o testemunho cristão. 
Descrever o prazer de testemunhar de Deus.
Resumo da Lição
Testemunho eficaz é “vender” uma imagem positiva sobre Deus e o estilo de vida que Ele pede que Seus filhos vivam. Muitos só nos conhecem pelo que não fazemos. Deveríamos ser conhecidos pelo que fazemos, pelas práticas comunitárias e amorosas em prol do bem-estar das pessoas. Testemunho eficaz é partilhar o que se tem. Ninguém pode dar o que não tem. Tal testemunho deve ser motivado pelo amor às pessoas, para que experimentem o que não sabem que não têm. Todos devemos dar testemunho da fé que possuímos. E isto é um privilégio do qual não podemos abrir mão. 
Destaque: O ponto positivo do testemunho. Devemos ser conhecidos pelo que fazemos e não pelo que não fazemos; pelo que é bom e não pelo que é ruim.
Em um tribunal, só pode servir de testemunha quem presenciou o fato. Quando alguém conhece Jesus e desenvolve uma experiência real com Ele, tem que falar do que viu ou vê, pois contra fatos não há argumentos. O nome de Jesus precisa ser revelado aos seres humanos, e isto acontece a partir do testemunho daqueles que O conhecem. Quem pode contestar algo que alguém vivenciou? 

O perdão e a cura

“Porque se perdoardes aos homens as suas ofendas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens ( as suas ofensas), tão pouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas.“( Mt 6. 14-15)
Muitas pessoas têm sido prejudicas por familiares, sócios ou amigos, e buscam justiça, e como acreditam que a justiça deve ser buscada. E se não for feita justiça dentro dessas circunstancias, elas se tornam amarguras e cheias de ódio. Muitos desses indivíduos podem ter sintomas físicos que podem ser diretamente relacionados com essa atitude de rancor. Eles criam uma raiz de amargura que produz toxinas que passam ao seu organismo, e assim começam a passam ao seu organismo, e assim começam a sofrer distúrbios metais e físicos.
Quando somos prejudicados de uma forma ou de outra, temos que perdoar. Mesmo que nosso ofensor não nos peça perdão, precisamos perdoa-lo.
Jesus é o exemplo perfeito desse fato. Quando Ele estava pregado na cruz, ninguém lhe pediu perdão; pelo contrário, eles estavam zombando dEle e o atormentando.
Mas Ele disse: “ Pai, perdoa-lhes. “ Portanto, o perdão não é um ato apcional; é um mandamento. Não é uma ação que praticamos ocasionalmente; é a maneira como vivemos diariamente.
Quando perdoamos uma pessoa que nos causou algum mal, estamos permitindo que o Espírito Santo coloque convicção de erro naquele que nos prejudicou. Nada escapa aos olhos de nosso Pai celeste. Ele conhece todas as intenções, as motivações do coração. O Espírito Santo pode convencer de pecado, da justiça e do juízo.