Pesquisar este blog

sábado, 25 de maio de 2013

Por que Jesus ensinou em parábolas?

Tem-se dito que uma parábola é uma história terrena com um significado celestial. O Senhor Jesus frequentemente usava parábolas como um meio de ilustrar profundas verdades divinas. Histórias assim são facilmente lembradas, os personagens são fortes e o simbolismo rico em significado.
As parábolas eram uma forma de ensino muito comum no Judaísmo. Antes de um determinado ponto no Seu ministério, Jesus tinha utilizado muitas analogias gráficas usando coisas comuns que seriam conhecidas por todos (sal, pão, ovelhas, etc.), e seu significado era bastante claro no contexto de Seu ensino. As parábolas requeriam mais explicações, e em um ponto do Seu ministério, Jesus começou a ensinar utilizando parábolas exclusivamente.
A questão é a seguinte: por que Jesus deixaria a maioria das pessoas se perguntando sobre o significado de Suas parábolas?

domingo, 19 de maio de 2013

O Que Fazer Para Herdar a Vida Eterna? Texto Básico: Marcos 10.17-24

O Texto Aqui Fala de um Homem Muito Rico que procura Jesus e ajoelha-se diante dele e lhe a faz uma Pergunta: 

Bom Mestre, O que devo fazer para herdar a Vida Eterna? 
A Principio Jesus responde ao Jovem porque me chamas bom? 
Será que aqui no texto Jesus esta dizendo que ele não é bom? 
O QUE SIGNIFICA SER BOM? 
Qualidades de uma pessoa Boa. 
Ser Benevolente, gostar de ajudar os outros, ser misericordioso,se colocar no lugar dos que sofrem, importa-se com os outros, ser compreensivo, paciente, amoroso, essas são algumas das qualidades que definem uma Pessoa Boa. 
Geralmente só se sabe quando uma pessoa é boa através do que ela faz. 
“Por que me chamas bom” foi à pergunta que Jesus fez aquele Jovem rico! Você esta me Chamando de Bom Porque eu multipliquei pães e peixes por duas vezes e alimentei mais de 30 mil pessoas; Porque você esta me chamando de bom, porque ressuscitei a filha de Jairo; curei a hemorragia de 12 anos de uma mulher? Porque curei cegos e Fiz paralitico andar? Por que me chamas bom? Por aquilo que eu faço? Ou por aquilo que sou? 
Jesus é Deus e ele é bom, Mas o jovem rico não sabia disso, o Jovem rico não estava chamando Jesus de Bom com sinceridade, com verdade, com convicção, por reconhecimento, mas sim por bajulação, visando vantagens ou recompensas. Por isso Cristo o repreende. 
E que tipos de vantagens ou recompensas aquele Jovem rico esperava do Bom Mestre Jesus? Salvação e vida eterna por meio das Obras.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

A Igreja Que não Existe Mais! - Ariovaldo Ramos

Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens e os repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos.” At 2. 43-47 Na época do surgimento da Igreja do Novo Testamento, a palavra igreja significava, apenas, uma reunião qualquer de um grupo organizado ou não. Assim, o texto nos revela que havia um grupo organizado em torno de sua fé (Todos os que criam estavam unidos) – todos acreditavam em Cristo.

Segundo o texto, os participantes do grupo do Cristo não tinham propriedade pessoal, tudo era de todos (tinham tudo em comum)– os membros desse grupo vendiam suas propriedades e bens e repartiam por todos – e isso era administrado a partir da necessidade de cada um; e se reuniam todos os dias no templo; e pensavam todos do mesmo jeito, primando pelo mesmo padrão de vida (unânimes); e comiam juntos todos os dias, repartidos em casas, que, agora, eram de todos, uma vez que não havia mais propriedade particular; e eram alegres e de coração simples; e viviam a louvar a Deus; e todo o povo gostava deles, e o grupo crescia diariamente. Diariamente, portanto, havia gente acreditando em Cristo, se unindo ao grupo, abrindo mão de suas propriedades e bens e colocando tudo a disposição de todos.

O que significa honrar meu pai e minha mãe?"

Honrar seu pai e mãe é demonstrado através de palavras e ações que surgem de uma atitude interior de estima e respeito pela posição que ocupam.
A palavra grega para honra significa reverenciar, estimar e valorizar. Honrar é dar respeito não apenas pelo mérito, mas pela posição. Por exemplo, algumas pessoas podem não concordar com as decisões de seu presidente, mas ainda devem respeitar sua posição como líder de seu país. Semelhantemente, filhos de todas as idades devem honrar seus pais, quer seus pais “mereçam” ou não.
Deus nos exorta a honrar nosso pai e mãe. Ele tanto valoriza honrar aos pais que incluiu esse princípio nos 10 mandamentos (Êxodo 20:12) e novamente no Novo Testamento: “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa, para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra” Efésios 6:1-3).
Durante a época do Velho Testamento, falar mal contra os pais ou rebelar-se contra as suas instruções resultava em punição capital (Êxodo 21:15-17; Mateus 15:14)! Enquanto aqueles que honram seus pais são abençoados (Jeremias 35:18-19), uma característica daqueles com uma “mente corrompida” e daqueles que não agradam a Deus nos últimos dias é desobediência aos pais (Romanos 1:30; 2 Timóteo 3:2).

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Não deis brecha ao diabo (Ef 4.27)

Na natureza existem alguns bichinhos que aparentemente são inofensivos, no entanto, se dermos qualquer tipo de brechas, esses supostos bichinhos se proliferam tornando-se pragas monstruosas e devastadoras capazes de provocar danos irreparáveis e irreversíveis.

Precisamos dedetizar as pragas por questão de sobrevivência, caso contrário, as mesmas exterminarão a nossas vidas. Vejamos:
• Se dermos brecha às traças elas arruinarão nossas vestimentas;
• Se dermos brecha aos gafanhotos eles devastarão o nossos jardins;
• Se dermos brecha aos cupins eles destruirão nossas casas.
O diabo age semelhante a tais bichinhos e por meio de sua sagaz sutileza ele procura espaços em nossas vidas e a partir de pequenas e imperceptíveis brechas encontrada, ele torna-se capaz de nos destruir completamente. Portanto, não podemos desconsiderar o fato de que pequenas brechas podem acarretar em apavorantes problemas. Vejamos:
• Pequenas brechas nas represas provocam horríveis enchentes;
• Pequenas brechas nas encostas provocam terríveis desmoronamentos;
• Pequenas brechas nas embarcações provocam trágicos naufrágios.
Tema:
NÃO DEIS BRECHA AO DIABO

terça-feira, 14 de maio de 2013

Primeira Igreja Batista de Santo Estevão 40 anos Abençoando vidas!!



Foi no dia 1º de maio de 1973, onde tudo começou. Deus colocou no coração da Senhora HARRIET NORED o desejo de doar um terreno para construção de um templo aqui em Santo Estevão. Esse terreno foi doado em homenagem ao casal TIMBERLAKE que juntamente com um grupo de pessoas acreditaram que era possível que se construísse um templo aqui em nossa cidade. Os planos, os projetos, as conquistas, os sonhos, pessoas que dedicaram suas vidas e acreditaram que era possível que a Primeira Igreja Batista em Santo Estevão fosse uma igreja relevante para o reino e para a comunidade. No decorrer desses 40 anos, a igreja se multiplicou e implantou novas congregações filhas do seu templo. Fez reformas e ampliações de suas instalações. E ano após ano alargou as suas fronteiras; DEUS honrou a fidelidade de seu povo. Pastores e líderes foram usados por Deus; obedeceram ao chamado e não desistiram. Era as promessas de Deus sendo cumpridas dia após dia na 1ª Igreja Batista. 
Os caminhos por muitas vezes difíceis exigiram determinação, coragem e fé, mas em todo tempo vimos a bondade e a misericórdia de Deus. Somos uma família, família de Deus! Temos uma só fé, um só batismo e um só Senhor. Nesta caminhada como igreja vamos prosseguindo cada um exercendo o seu dom e cumprindo o seu chamado. E juntos estamos escrevendo uma linda história de fé e esperança. É tempo de louvar e agradecer a Deus por tudo que ele fez no nosso meio durante essas décadas e por tudo que ele ainda fará. Ah, quantas coisas aprendemos nesta jornada, quantas bênçãos a serem contadas! Irmãos que estiveram no início de tudo e que já não estão mais entre nós, mas deixaram seu recado de fé e de peserverança. Aprendemos que Deus é fiel para cumprir o que nos prometeu e que jamais falhará, porque Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas.

Resignação: Enfrentando a Vida com um Suspiro

Todo um gênero de literatura religiosa se desenvolveu a partir deste tipo de atitude "espiritual". Na verdade, a maioria dos cristãos se encontra nesta categoria, numa ou noutra época. 
Às vezes, achamos que há algo de piedoso em nos resignarmos aos duros golpes da vida. A resignação não é uma virtude que distingue os cristãos. 
Poderíamos aprender com os escritores pagãos, como os estóicos da Grécia antiga, a aceitar a calamidade com resignação. Em geral, é a maneira mais fácil de reagir, uma espécie de fatalismo ou analgésico – anestesia onde deveria existir ação. 
A vitória cristã autêntica não está no caminho da mera resignação. Em vez disso, o cristão que cresce vê, como Jó viu, que, embora Deus possa nos ferir (ou permitir que sejamos feridos), "as suas mãos também curam." (Jó 5:18) 
Ainda bem que o rei Davi não vivia permanentemente "numa boa". Pense só nos Salmos que não conheceríamos, se fosse este o caso. Nos seus escritos, ele deixa ver um lado da sua natureza que nos intriga e inspira. Em vez de se resignar ao sofrimento, ele falou coisas como: "Por que estás abatida, minha alma? Por que estás perturbada dentro de mim?"(Salmos 42:5) 

Qual é a diferença entre “orar” e “rezar”?

Se estudarmos a origem latina (rezar em latim é “recito”) da palavra “rezar” vamos descobrir que ela traz um significado de “recitar”, “ler em voz alta”, “apresentar lendo”, “citar”, “pronunciar uma fórmula”, “repetir”, “dizer de cor”. Este estudo da raiz e da significação do termo “rezar” nos mostra que tal palavra se aplica melhor às preces prontas, de autoria de terceiros, que aprendemos e repetimos.
Já o verbo “orar” tem suas raízes no termo latino “oro”, que significa “dizer”, “falar”, de onde também se deriva o termo “oral”, ou seja, “dito”, “falado”. Este entendimento se encaixa melhor com as preces na forma de uma fala, uma conversa. Orar é abrir o coração a Deus, como a um amigo.
A partir de textos Bíblicos temos hoje algumas “rezas’ que são praticadas por cristãos que fazem destes textos suas preces, como por exemplo, os salmos 91, 23, etc. Entretanto não há nenhuma ordem bíblica para que se tomem tais ou outros textos, decore-os e transforme-os em frequente oração.
Existe também o que chamamos de “Oração do Pai Nosso”,que é o texto de Mateus 6:9 sp-13. Entretanto, não se pode dizer que era intenção de Jesus determinar que seus discípulos praticassem uma reza, como podemos ver no verso sete, através de Sua admoestação “não useis de vãs repetições”.Este termo (“vãs repetições”) não se refere à repetição de um pedido, mas a um murmúrio vazio e preces longas que confundem verbosidade insignificante com piedade.

Poder com propósito

Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. Atos 1:8
Deixar que o Espírito fale por nosso intermédio é o que deve acontecer com freqüência. Essa é a vida cristã normal. Você e eu somos chamados para ser seus embaixado­res — ele raramente utiliza qualquer outra opção. Ele não vai falar do céu ou em nosso local de trabalho ou nos corredores da escola. Não vai enviar um e-mail ao seu amigo desviado. Deus precisa da boca de seu povo para que seja preenchida com o Espírito dele.
Jesus disse a seus discípulos em Lucas 12:1 1,12 que o Es­pírito Santo lhes daria as palavras a ser ditas na hora da ne­cessidade. Ele repete a mesma promessa mais tarde:
Lançarão mão de vós... levando-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome; e isto vos acontecerá para que deis testemunho. Assentai, pois, em vossos cora­ções de não vos preocupardes com o que haveis de respon­der; porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem. (Lc 21:12-15)

Jesus Cristo, o nosso pão diário

Graças ao nosso bom, amado, maravilhoso, majestoso, poderoso e grandioso Deus Pai, Filho e Espírito Santo, declaramos pela fé em Jesus Cristo, nosso Eterno Salvador, que todos os dias seremos renovados, transformados e saciados por meio da Sua Palavra e de Sua presença em nossas vidas. 
Em Mateus 6.9-13 Jesus ensina aos Seus discípulos a oração modelo do Pai- nosso: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!
Nessa oração, Jesus Cristo nos transmite ensinos preciosos. Ele nos incentiva a crer que Deus nunca deixará faltar a provisão para nossas vidas, e instrui-nos a sermos totalmente dependentes de Sua pessoa. Assim, devemos confiar que o Senhor nos abastecerá e também a nossa família diariamente. Não faltará nada, pois Ele é o Jeová Jireh, o Deus que supre nossas necessidades física, espiritual, emocional e material.