Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Vida Nova Rompendo os laços do passado

Quando nos entregamos a Cristo, nascemos de novo. Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo (Jo.3.3,7). É uma experiência que rompe com os laços do passado.
Fomos soltos do pecado, antes vivíamos perdidos na transgressão, sem ter como saudar o débito, mas na cruz, esta dívida foi paga quando Jesus tomou as nossas contas e, desafiando quem as cobrava cravou-as na cruz.
Há cerca de dois mil anos atrás, Jesus pagou todos os nossos débitos. Todos os nossos pecados foram perdoados. Precisamos somente aceitar a salvação em Cristo. 
O computador tem a tecla delete, que apaga todo arquivo selecionado; mesmo depois de muitas horas de trabalho contínuo, ao acionar a tecla delete, tudo desaparece. Jesus em seu infinito amor deletou todos os arquivos contra nós. No dia da nossa conversão, os pecados cometidos foram selecionados e a tecla delete acionada.
Um novo arquivo foi formado para substituir o antigo. Em Cristo, nossos pecados foram perdoados, estamos livres de toda acusação, se continuarmos na fé. “No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis, Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido...”(Cl. 1.22,23).
DEUS TEM UMA GRANDE BORRACHA, UM GRANDE APAGADOR.
Antes de Jesus, As normas da Lei eram desobedecidas aqui e ali, mas diante da cruz de Cristo a lei foi cancelada e a graça de Deus concedida aos homens.
A CRUZ DE CRISTO É A ESCADA QUE NOS CONDUZ AO CÉU.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Depositar confiança na pessoa certa torna a vida melhor

É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem. É melhor confiar no SENHOR do que confiar nos príncipes. (Salmos 118:8-9)
Quando você confia em uma pessoa, você está entregando aquilo que está confiando nas mãos dela, ora, se Bíblia diz: maldito o homem que confia no homem,(Jr. 17.5) será que isso seria recomendável.
Até que ponto o que você está confiando pode interferir na sua vida. Seria essa pessoa digna de tal confiança, uma vez que a nossa luta não é contra as pessoas, mas como diz em Efésios 6.12. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. 
Daí pode entender-se mais profundamente a advertência bíblica para entregar nossos caminhos ao Senhor confiar n`Ele e tudo o mais Ele (O Senhor) o fará. (Sl. 37.5)
Muitas vezes não entendemos as coisas que acontecem em nossas vidas, questionamos o porque, já que temos tentado andar corretamente, claro, pecamos, erramos, pois somos falhos, todavia não persistimos no erro e isso é o correto, pois, As Escrituras nos diz que o reconhecimento dos nossos erros, acompanhados de arrependimento, confissão e pedido de perdão diante de Deus, resulta em perdão e limpeza de todo pecado. (1João 1.9)
- Senhor! Porque?
- Eu, oro, te busco, tento a

Tô a Fim de Namorar!

Coisa boa é namorar! Quem já não sofreu de "apaixonite" aguda? Quem já não sentiu um nó na garganta e as mãos suadas ao trocar um olhar com a pessoa por quem o coração bate incontrolável? Existe um momento na vida de todos nós que namorar é quase uma obsessão.

Namorar é maravilhoso! É impossível casar sem namorar. É nesta fase da vida que duas pessoas irão se conhecer, trocar confidências, abrir o coração um ao outro, preparando-se para uma definitiva vida a dois. Este desejo é legítimo e realizá-lo torna-se imprescindível para o casamento.
Foi Deus quem marcou o primeiro encontro dos enamorados, foi Deus quem ascendeu à lua, orquestrando os pássaros, e preparando todo o cenário para o primeiro casal de apaixonados. Deus se alegrou quando viu os olhares lânguidos do primeiro casal. Ele ficou feliz em ver os rostos dos apaixonados se iluminarem pelo amor. Sorrindo, Deus os abençoou.
Namorar é preciso! No entanto em busca deste necessário e legítimo desejo, muitas pessoas encontram sofrimento e decepção. Na aspiração de realizar sonhos e encontrar a felicidade algumas se tornam amarguradas e feridas; enquanto outras abusam, usam e se aproveitam dos corações vulneráveis. Como, então, evitar complicações futuras?
Nasci em Petrópolis, Rio de Janeiro; lá existem muitos poços, onde aprendi a nadar com meu pai. Papai me ensinou uma simples, sabia e essencial verdade para nadar e sair vivo de um poço. Nunca mergulhe num poço sem antes dar uma "nadadinha" primeiro. Descubra se o poço é fundo, se existem pedras no fundo. Quem pula de cabeça num poço pode acabar morrendo. Este c
onselho simples se aplica muito bem no namoro.

Você quer ouvir a voz de Deus?

Jesus preferiu estar sozinho com o verdadeiro Deus a ficar junto à multidão de pessoas equivocadas. Não era uma voz de fora que Jesus ouviu, era uma voz interior.
A marca da ovelha era o que lhe tornava capaz de ouvir a voz do Pastor. Ele chama as suas ovelhas pelo nome e as leva para fora(Jo.10.3). A marca de um discípulo é a sua capacidade de ouvir a voz do Mestre. “Escutem, eu estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e comerei com ele e ele comerá comigo” (Ap.3.20).
O mundo soca a mão na sua porta; Jesus apenas bate.
A vozes gritam por sua adesão; Jesus mansamente pede.
O mundo promete prazer rápido; Jesus promete um jantar tranqüilo ... com Deus. “Entrarei em sua casa e cearei com ele e ele ceará comigo”.
Qual voz você escuta??
Não há um momento que Jesus não esteja falando. Nenhum sequer. Nunca haverá um quarto muito escuro... um saguão muito envolvente... um escritório muito sofisticado... que o terno Amigo, sempre marcando presença e que sempre nos acompanha, implacavelmente não esteja lá, batendo à porta dos nossos corações, com toda gentileza, esperando ser convidado a entrar.
Infelizmente, poucos ouvem essa voz, um número ainda menor abre a porta.

A história da oração

Quando o ser humano começou a orar? Quem fez a primeira oração?
A última frase de Gênesis 4 registra que, logo após o nascimento de Enos, começou-se “a invocar o nome do Senhor” (Gn 4.26). Embora o verbo “invocar” pareça sinônimo de cultuar ou adorar, em outros textos ele é sinônimo de clamar ou orar.
Numa de suas orações, Davi escreve: “Na minha angústia, “invoquei” o Senhor, “clamei” a meu Deus; ele, do seu templo, ouviu a minha voz” (2Sm 22.7). No Salmo 50, Deus diz: “Invoca-me no dia da angústia: eu te livrarei, e tu me glorificarás” (Sl 50.15). As mesmas palavras são proferidas pela boca do profeta Jeremias: “Invoca-me, e te responderei” (Jr 33.3).
A expressão “invocar o nome do Senhor” aparece seis vezes no primeiro livro da Bíblia. Abraão (12.8; 13.4; 21.33), sua escrava Agar (16.13) e seu filho Isaque (26.25) invocam o nome do Senhor. A esta altura da história human

a tal ato já seria um exercício religioso habitual. 
As outras orações de Gênesis não são meras invocações da presença de Deus, mas súplicas bem elaboradas e mais explícitas. A primeira é um modelo de oração intercessória. As outras são pedidos em favor da interferência da misericórdia e do poder de Deus para resolver situações difíceis (a oração do servo de Abraão), situações ligadas a problemas de saúde (a oração de Isaque) e situações de perigo (as orações de Jacó). Abraão demora-se na presença de Deus e insiste o quanto pode em favor da não destruição de Sodoma e Gomorra, em benefício de alguns poucos justos porventura ali residentes. E ele consegue o favor de Deus vez após vez: Deus não destruiria as cidades da campina caso houvesse ali cinquenta, 45, quarenta, trinta, vinte ou dez justos. Como não havia nem sequer dez, as cidades foram destruídas (Gn 18.22-33). O mesmo Abraão orou em favor da saúde de Abimeleque, sua mulher e servas (Gn 20.17). O filho de Abraão e Agar, ao ser mandado embora junto com a mãe, não tendo mais água para beber, clamou e “Deus ouviu a voz do menino” (Gn 21.17). 

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Como escolher namorado cristão

Dicas para os jovens cristãos na escolha de um namorado
Quem é esse seu namorado(a)? Você o conhece?
Dizem que o amor é cego, e isso tem lá o seu lado verdadeiro, visto que quando se está apaixonado não se consegue ver os defeitos do outro, apenas as coisas boas. Aliás tudo nos parece muito bom. Mas tal comportamento, não raras vezes, podem trazer sofrimentos emocionais que duram por longos e demorados anos.
Temos visto casos na igreja onde uma adolescente cristã, menina de Deus, que caminha nos princípios da Palavra, de repente se apaixona por um rapaz e quando as pessoas a sua volta se dão conta, ela já está apaixonada por uma pessoa pouco recomendável. A partir da paixão as coisas ficam difíceis de ajustar, pois ainda que as evidências deixem claro que o indivíduo não é um grande caráter, uma pessoa confiável ou coisa assim, a garota tem a tendência de não acreditar. Daí começa o sofrimento da família.
Pra você que ainda é tão jovem, vamos te ajudar a se aperceber de alguns detalhes que podem levar a uma conclusão mais acertada quanto a namorar ou não determinada pessoa.
Essas observações são válidas para ambos os sexos.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Felicidade, seria uma busca inútil?

Após ter velejado por algum tempo, o pescador desembarca na praia. Sua pele bronzeada tem a cor do sol. Enquanto salta agilmente do barco, ele assovia uma canção própria dos velhos lobos do mar. A cabeça protegida por um chapéu de palha, cuja aba lhe assombreia o rosto, torma a cor de sua pele ainda mais escura.Os braços, torneados pela força das águas, puxam a pequena embarcação para terra seca, amarrando-a em uma árvore de que dorme preguiçosa, esparamando-se em galhos também preguiçosos. Depois de esticar a rede, o pescador caminha lentamente carregando meia dúzia de peixes.
O ricaço, de pele avermelhada e andar grã fino, veste uma camisa estampada. Tanto a pele quanto a camisa deixam clara sua condição de turista; Ele observa tudo atentamente. Analisa a lida incessante do pescador e ao contar com os olhos a pequena quantidade de peixes conduzida por suas calejadas mãos, fica curioso. De imediato, ele procura conversa saudando o pescador, que responde com um sorriso, exibindo os dentes ainda brancos e perfeitos.
Como o pescador pára numa bica d’agua próxima, o ricaço pergunta:
- A pesca estava fraca hoje?
- Não, responde o homem.
Sem entender, o ricaço tenta mais uma vez:
- Como não, você só pescou seis peixes.
- Pesquei o necessário, seis são suficientes para alimentar minha família.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Ninguém vai me calar, diz Silas Malafaia

Ninguém vai me calar, diz Silas MalafaiaUm dos momentos mais esperados da manifestação que aconteceu em Brasília na quarta-feira (5) era a fala do pastor Silas Malafaia, organizador do evento, que falou sobre os objetivos dessa mobilização social que atraiu cerca de 70 mil pessoas.
O líder religioso começou seu discurso defendendo a liberdade de expressão e criticando projetos como o PL 122/2006 que quer criminalizar a opinião contrária ao homossexualismo, tratando como homofobia.
Citando a Constituição, Malafaia lembra que no Brasil a liberdade de expressão é garantida e que ele tem o direito de criticar o que ele quiser. “Eu critico o que eu quero e ninguém vai me calar!”.

sábado, 1 de junho de 2013

Os Dez Mandamentos do Namoro


I. Não namore por lazer: namoro não é passatempo e o cristão consciente deve encarar o namoro como uma etapa importante e básica para um relacionamento duradouro e feliz. Casamentos sólidos decorrem de namoros bem ajustados. 
II. Não se prenda em um jugo desigual, (2 Co 6:14-18): iniciar um namoro com alguém que não tem temor a Deus e não é uma nova criatura pode resultar em um casamento equivocado. E atenção: mesmo pessoas que frequentam igrejas evangélicas podem não ser verdadeiros convertidos ou não levarem o relacionamento com Deus a sério.
III. Imponha limites no relacionamento: o namoro moderno, segundo o ponto de vista dos incrédulos, está deformado e nele intimidade sexual ou práticas que levam a uma intimidade cada vez maior são normais, mas o namoro do cristão não deve ser assim, o que nos leva ao próximo mandamento.
IV. Diga não ao sexo: Deus criou o sexo para ser praticado entre duas pessoas que se amam e têm entre si um compromisso permanente. É uma bênção para ser desfrutada plenamente dentro do casamento; fora dele é impureza.