Crescimento Espiritual : ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS

Pesquisar este blog

ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS

Algum tempo atrás, ouvi uma história que me trouxe reflexão. Estávamos em um acampamento da II Igreja Presbiteriana Renovada, e um dos jovens nos relatou a seguinte história:

Certa vez uma pessoa, que vamos chama-lo de “irmãozinho”, gostava de ficar convidando pessoas para irem a sua igreja. Gostava de se fazer de verdadeiro servo, chegando ao ponto de comprar uma tinta e pintar no muro da sua casa: “ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS”.
O “irmãozinho” tinha um vizinho que morava de frente da sua casa, e que pasmo assistiu o “irmãozinho” pintando no muro os dizeres citados acima. E o “irmãozinho” não perdia tempo, já foi logo dizendo: - Vizinho, você precisa ir na minha Igreja! Rapaz... O que é aquilo?! Olha, lá você vai ser tocado, transformado e vai conhecer o poder de Deus. O louvor é lindo, as pessoas são boazinhas e todo mundo é abençoado $$ !!! Rsrsrs.
O vizinho agradeceu o convite e disse ser muito feliz na sua religião. Mas a verdade era que, o “irmãozinho” não era uma pessoa com conduta correta, que realmente pudesse dar um verdadeiro testemunho da sua fé no seu modo de agir. Ao chegar em casa, fechava o portão e se transformava. Falava palavras de baixo calão, ofendendo sua esposa e filhos, e não uma nem duas vezes chegou ao ponto de bater em sua esposa, e como o escândalo foi muito grande, quem morava perto conseguiu ouvir toda aquela baixaria.
E o vizinho ficou indignado não só com o convite, mas também com o que acabara de ler que fora pintado por seu vizinho... – Casa do Senhor Jesus?
! Eu heim... Disse consigo mesmo.
E repetidamente, o “irmãozinho” via o vizinho na porta de casa e falava:
- Vamos hoje na minha Igreja???
E ouvia um: - Não, obrigado. Estou bem como estou.
Porém, o vizinho não aguentando mais a indignação de ver aquele camarada xingar a todos de casa com palavras que ele nunca ouvira em toda a sua vida, e ter a cara-de-pau de convidá-lo para ir a igreja, resolveu seguir a distância e descobrir onde era a tal Igreja que este camarada frequentava, e que tipo de gente é esta que ensina a xingar, brigar, ofender e ainda tinham a capacidade de sair convidando os outros como se isso fosse algo bom.
Ao chegar a Igreja, notou o “irmãozinho” sentado na primeira fila. A igreja era enorme, um templo para 4000 pessoas. Começa o Culto, e logo já vêm o Louvor. E o “irmãozinho” balançava os braços durante o louvor tentando chamar a atenção dos pastores para sua presença. Porém algo diferente começou a acontecer com o vizinho. Começou a sentir que aquelas letras falavam com o seu coração. Começou a sentir um arrepio diferente, sentia como se algo muito quente estava próximo dele e não conseguia conter as lágrimas que iam saindo dos seus olhos. Durante a mensagem, refletiu sobre tudo que tinha sido sua vida, e que precisava demais daquele Jesus que estava sendo ensinado naquele lugar, e que ele nunca conhecera. Ao perguntarem quem gostaria de aceitar Jesus como Senhor e Salvador, ele sentiu que não poderia perder aquela oportunidade e levantou a mão. Os pastores foram até estas pessoas e fizeram a oração com eles. E ao receber a imposição de mãos, sentiu uma mudança muito grande, uma voz começou a lhe falar no seu coração.
Quando acabou o culto, olhou e viu o “irmãozinho” na fila do Pastor Presidente para receber uma oração. E aquela linda voz lhe disse ao seu coração: Vá imediatamente para casa. Ao chegar lá, Eu lhe darei uma nova orientação, faça tudo conforme Eu lhe falar. E o vizinho obedeceu e foi para casa. Ao chegar, cumpriu tudo o que o Senhor lhe ordenara.
E lá vêm o “irmãozinho” que ao chegar de frente a sua casa ficou indignado, furioso e irado com o que havia sido escrito em complemento a sua frase: “ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS, PORÉM ESTÁ ALUGADA TEMPORARIAMENTE PARA SATANÁS”.
Mateus 24.42 - "Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor."
Mateus 25.13 - "Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia e nem a hora!"

A Graça e a Paz do Senhor Jesus Cristo,
Moacir Neto
Postar um comentário