Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de abril de 2014

CONVITE: 1ª IGREJA BATISTA DE SANTO ESTEVÃO FAZ 41 ANOS DE EXISTÊNCIA

1ª IGREJA BATISTA EM SANTO ESTEVÃO-BA

RUA PROFº NOEME FRANCO LIMA, 280 – CENTRO.
PRESIDENTE: PR.JOÃO PERREIRA DOS SANTOS 
PRÓXIMO A COMPANHIA DA PM E JUIZADO DE MENORES

“Portanto, já que estamos recebendo um Reino inabalável, sejamos agradecidos e, assim adoremos a Deus de modo aceitável, com reverencia temor”. Hebreus 12.28.
Convidamos-lhe. Justamente com sua família para os cultos comemorativos pela passagem do 41º aniversario de organização de nossa igreja.
Dia 03/05 ( Sábado) às 19.30 h - Culto de abertura
Dia 04/05(Domingo) às 09.00 h – Culto Matinal
Dia 04/05(Domingo) às 19.30 h – Culto de encerramento.
Orador. Pastor Eloisio Ursulino Santana
Grupo de Louvor da Igreja Local
E outras atrações.
Parabéns 1ª Igreja Batista de Santo Estevão pelos seus 41 anos de Existência fazendo a diferença, ajudando vidas a se aproximarem de Deus, funcionando como uma clinica, um Hospital. Atendendo as demandas sociais e espirituais dos seus membros





segunda-feira, 28 de abril de 2014

Jesus desceu ao inferno entre Sua morte e ressurreição?

A alma de Jesus foi ao Inferno no período entre Sua morte e ressurreição?

Há bastante confusão em relação a esta pergunta. Este conceito vem principalmente do Credo dos Apóstolos, que afirma: “Ele desceu até o Inferno.”
Há também algumas poucas Escrituras que, dependendo de como são traduzidas, descrevem a ida de Jesus ao “Inferno”.Estudando esta questão, é importante que primeiramente possamos compreender o que a Bíblia nos ensina a respeito da “esfera” dos mortos.
Nas Escrituras Hebraicas, a palavra usada para descrever a esfera dos mortos é “Seol”. Esta palavra simplesmente significa “lugar dos mortos” ou o “lugar das almas/espíritos que partiram”. A palavra grega do Novo Testamento que é usada para inferno é “Hades”, que também se refere ao “lugar dos mortos”.
Outras Escrituras no Novo Testamento indicam que Seol/Hades é um lugar temporário, onde as almas ficam enquanto aguardam a ressurreição e julgamento final.Apocalipse 20:11-15 dá a distinção clara entre os dois. Inferno (o lago de fogo) é o lugar final e definitivo de julgamento para os perdidos. Hades é um lugar temporário. Então, não, Jesus não foi ao “Inferno” porque “Inferno” é uma esfera futura que somente entrará em vigor após o Julgamento do Grande Trono Branco (Apocalipse 20:11-15).

Como o mundo pôde ser criado em seis dias?

A Bíblia diz que Deus criou o mundo em seis dias (Êx 20.11).Mas a ciência moderna declara que isso levou bilhões de anos.As duas posições não podem ser verdadeiras. Há basicamente duas maneiras para superar esta dificuldade.
Primeiro, alguns eruditos argumentam que a ciência moderna não está certa. Insistem em dizer que o universo tem apenas alguns milhares de anos e que Deus criou todas as coisas em seis dias literais (6 dias de 24 horas, ou seja, 144 horas). Para sustentar esta posição, eles apresentam os seguintes pontos:
1. Cada dia do Gênesis tem “tarde e manhã” (cf. Gn 1:5,8,19,23,31), o que é próprio do dia de 24 horas na Bíblia.
2. Os dias foram numerados (primeiro dia, segundo dia, terceiro dia etc), uma característica peculiar dos dias de 24 horas na Bíblia.
3. Êxodo 20:11 compara os seis dias da criação com os seis dias de uma semana (literal) de trabalho de 144 horas.
4. Há evidência científica que suporta uma idade jovem (de milhares de anos) para a Terra.
5. Não haveria como a vida sobreviver milhões de anos do dia três (1; 11) ao dia quatro (1:14) sem lua.
Outros eruditos da Bíblia afirmam que o universo pode ter bilhões de anos, sem que com isso se esteja sacrificando um entendimento literal de Gênesis 1 e 2. Argumentam que:
1. Os dias de Gênesis 1 podem ter tido um período de tempo antes da contagem dos dias (antes de Gênesis 1:3), ou um intervalo de tempo entre os dias. Há intervalos em outras partes da Bíblia (como em Mateus 1:8, onde três gerações são omitidas, em comparação com 1 Crônicas 3:11-14).

A Oração Restaura a Saúde

Apesar de todo avanço da moderna ciência médica, as pessoas ainda sofrem com doenças e enfermidades. Dizem os médicos que as maiores causas de morte hoje em dia são as doenças do coração e o câncer. Afirmam também que a maioria dos nossos problemas físicos é provocada por stress.
As pessoas vivem atemorizadas, com medo de uma destruição e extermínio nuclear. As pressões que se tem hoje em dia estão afetando a vida de todo o mundo, até mesmo nas regiões mais remotas.
O que pode ajudar o homem a superar o stress e as ansiedades que o atormentam?
A reposta dessa pergunta não é nenhuma novidade, mas está sendo bastante esquecida na sociedade moderna. A resposta é oração!
Paulo escreveu o seguinte à igreja de Filipos: “ Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas diante de Deus as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graça. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os 
vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus.” (Fp 4. 6,7).
Nós temos uma escolha a fazer. Ou podemos ficar aflitos, ou então confiar em Deus. Podemos deixar que nosso coração e mente fiquem cheios das preocupações deste mundo, ou então podemos orar.

As Dez coisas Mais Poderosas no Universo

Em um mundo de terrorismo, ditadura e armas de destruição em massa, como podem eventos que aconteceram a 2 mil anos atrás em um vale próximo a Jerusalém realmente fazer diferença em nossas vidas hoje?
O sofrimento de Jesus Cristo na cruz e Sua ressurreição três dias mais tarde têm ainda poder para derrotar os inimigos de tudo o que é bom e certo?
A resposta é um triunfante “Sim!”
É importante lembrar que as últimas palavras de Jesus antes de sua morte foram, “Está consumado.” A dívida de nossos pecados foi totalmente paga. Mesmo que a obra da redenção tivesse terminado, Jesus não estava acabado. Três dias depois, Jesus levantou da morte pelo poder de Deus.
O poder de Deus é maior que qualquer outro poder que exista no mundo hoje. Mais que qualquer exército, mais que qualquer armamento, mais que qualquer governante, Jesus é Senhor sobre tudo e tem mais poder do que todas as coisas.
A seguir você tem uma lista das dez coisas mais poderosas no universo que estão à sua disposição hoje como um cristão verdadeiro em Cristo Jesus.
1. O Poder do Sangue de Jesus – Nada mais pode lhe conceder o perdão.
“Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus” Efésios 1:7

Você pode vencer nas crises

Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus.1 Pedro 2:20
A Igreja primitiva era composta em grande parte de escravos convertidos a Cristo. Calcula-se que mais ou menos metade da população do Império Romano era composta de escravos. Entre os escravos, produtos das guerras, existiam médicos, professores, secretários e financistas. De qualquer maneira, mal ou bem tratados, os escravos não eram considerados pessoas, mas como "propriedade" do seu dono.
Embora nossa situação social atualmente seja diferente - conquanto tenhamos muita opressão, injustiça, miséria e, às vezes, até de uma escravidão disfarçada - os conselhos de Pedro continuam, hoje, sendo muito válidos para nós também.
Podemos e devemos ter vitória interior sobre os problemas e dificuldades. O sofrimento pode ser uma bênção ou uma maldição. Tudo depende das reações diante dele.
Quando sucumbimos na amargura, na revolta; quando tentamos desesperadamente fugir dos problemas; quando caímos na auto compaixão, mostramos falta de poder interior para enfrentar as crises, os sofrimentos e as lutas, experimentamos a derrota e não a vitória.

Desfrutando o presente e Conquistando o futuro

“Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, e os meus sofrimentos... que variadas perseguições tenho suportado!. De todas, entretanto, me livrou o Senhor. Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.”(2 Tm. 3.10-12). O sofrimento nos confirma como membros da raça humana em geral e do povo de Deus em particular.
Ser ou não servos de Deus não nos deixa imunes ao sofrimento, nem ás dores, doenças, injustiças, decepções... Jesus disse: “Estas cousas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passai por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (Jo. 16.33).
Muitas vezes vivenciamos ódio, raiva e ressentimento em nossa alma, associados às lembranças dolorosas. Esses sentimentos atualizam diariamente a dor que um dia sofremos. Remoemos a mágoa, relembramos a ofensa, revivemos a dor, ruminamos o sofrimento, dando assim poder a quem nos feriu ontem, de ferir hoje, amanhã..
O ressentimento muitas vezes se apresenta como obstáculo à obra restauradora de Deus e do seu Santo Espírito.
O Senhor quer nos curar, mas, nós nos recusamos a esquecer, deixar para trás e, olhar para frente.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Morte ou vida? Faça a sua escolha!

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e purificar de toda injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós”(I João 1.8 a 10)
“Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram”: Rm 5.12. “Pois todos pecaram e destituídos estão da Glória de Deus”: Rm 3.23“Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”: I Co. 15.21,22. Todos os homens cometem atos de pecado, consciente ou inconscientemente, e são por eles responsáveis.
A separação do homem de Deus é a primeira conseqüência dos nossos pecados: “Certamente a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar. Nem surdo o seu ouvido, para que não possa ouvir Mas as vossas iniqüidades fazem a divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça”:Isaías 59.1,2.
Mas o homem não apenas passa pela morte espiritual. Ele também tornou-se FISICAMENTE MORTAL. A MORTE FÍSICA diz respeito à separação da alma do corpo.“E o pó volte á terra como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.”: Ecl. 12.7. 

À Procura de Abrigo

Desânimo. De onde vem ele?
Às vezes ele parece um vento seco, árido, soprado de um deserto solitário. E às vezes algo dentro em nós começa a murchar. Doutras vezes é como uma névoa que dá calafrios. Gotejando através de nossos poros, ele entorpece o espírito e obscurece o cami­nho que está diante de nós.
O que há com relação ao desânimo que priva nossas vidas de alegria e nos deixa vul­neráveis e expostos?
Não conheço todos os motivos. Não conhe­ço nem mesmo a maioria deles. Conheço, porém, um dos motivos: Não temos um refú­gio. Nestes dias é difícil encontrar abrigos . . .
Você me entende, pessoas que se dispõem a ouvir. Que são boas para guardar segredos. E todos nós necessitamos de ancoradouros on­de resguardar-nos quando nos sentimos cas­tigados pelo mau tempo e assolados pela tem­pestade.
O bar da vizinhança é, possivelmente, o melhor engodo de substituição que há da comunhão que Cristo deseja dar à sua igreja. É uma imitação: fornece bebidas alcoólicas em vez de graça, ilu­são em vez de realidade, mas uma comunhão permissiva, aceitável e envolvente. É inabalável. É democrática. A gente pode contar segredos às pessoas, e elas geralmente não os passam adian­te nem desejam fazê-lo. O bar floresce não por­que em sua maioria as pessoas sejam alcoólatras, mas porque Deus colocou no cora­ção humano o desejo de conhecer e ser conhecido, de amar e ser amado, e por isso muitos buscam uma falsificação pelo preço de algumas cervejas.

Quem é você?

Precisamos ser sábios, usar nossa inteligência e questionar mais as coisas.
Devemos nos posicionar corretamente diante dos ensinamentos, das novidades, dos modismos que surgem.Temos de analisar, pedir a direção de Deus.
O apóstolo Paulo, em Gálatas 5.1-12, faz uma advertência à igreja. Ele diz:
“Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.
Eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. De novo, testifico a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a guardar toda a lei. De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes.
Porque nós, pelo Espírito Santo, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor. Vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade? Esta persuasão não vem daquele que vos chama .Um pouco de fermento leveda toda a massa.
Confio de vós, no Senhor, que não alimentareis nenhum outro sentimento; mas aquele que vos perturba, seja ele quem for, sofrerá a condenação. Eu, porém, irmãos, se ainda prego a circuncisão, por que continuo sendo perseguido? Logo, está desfeito o escândalo da cruz. Tomara até se mutilassem os que vos incitam à rebeldia.”(Gálatas 5.1-12)

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Domingo de Ramos


Domingo de RamosÉ uma pena ver que boa parte dos evangélicos ignora o Domingo de Ramos. Alguns, em sua ignorância, chegam até a alegar que isto é coisa de católicos. Por estas e outras, as celebrações evangélicas da Páscoa estão cada dia mais pobres, limitando-se à comemoração do Domingo da Ressurreição. Assim, não apenas o Domingo de Ramos, mas até mesmo a Sexta-feira da Crucificação está sendo ignorada. Um absurdo, pois o tema central do Evangelho é a mensagem da cruz (1 Co.2.2).
Se pensarmos bem, até mesmo por uma questão pedagógica, seria interessante aproveitarmos melhor as datas festivas para comunicar o seu significado. Por exemplo, um culto temático, cujas canções, encenações, decoração, ramos, leituras bíblicas e mensagem estivessem focadas no evento, contribuiria em muito para a fixação dos ensinamentos deste que foi o primeiro dia da Grande Semana de Jesus na Terra.
Quando Jesus iniciou o seu ministério, ele proferiu a seguinte frase: “Ainda não é chegada a minha hora” (Jo 2.4). Mas, agora, é diferente! Três anos e meio depois, finalmente, a sua hora havia chegado! O grande dia da manifestação do Messias prometido!
Jesus acabara de realizar o maior de seus milagres, ressuscitando a Lázaro, cujo corpo putrefato, após quatro dias de sua morte, fora milagrosamente vivificado! A fama de Jesus se espalhou por toda a Jerusalém. O povo, maravilhado, viu naquele milagre o sinal do Messias.
Então, uma multidão entusiasmada começa a celebrar a chegada do Grande Rei. Pessoas pobres improvisam a criação de um tapete estendendo seus mantos e ramos de palmeira pelo caminho em que Cristo havia de passar, e exclamavam com imenso júbilo, dizendo: “Bendito o Rei que vem em nome do Senhor! Hosana nas maiores alturas” (Mt 21.9; Lc 19.38)!