Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de abril de 2014

À Procura de Abrigo

Desânimo. De onde vem ele?
Às vezes ele parece um vento seco, árido, soprado de um deserto solitário. E às vezes algo dentro em nós começa a murchar. Doutras vezes é como uma névoa que dá calafrios. Gotejando através de nossos poros, ele entorpece o espírito e obscurece o cami­nho que está diante de nós.
O que há com relação ao desânimo que priva nossas vidas de alegria e nos deixa vul­neráveis e expostos?
Não conheço todos os motivos. Não conhe­ço nem mesmo a maioria deles. Conheço, porém, um dos motivos: Não temos um refú­gio. Nestes dias é difícil encontrar abrigos . . .
Você me entende, pessoas que se dispõem a ouvir. Que são boas para guardar segredos. E todos nós necessitamos de ancoradouros on­de resguardar-nos quando nos sentimos cas­tigados pelo mau tempo e assolados pela tem­pestade.
O bar da vizinhança é, possivelmente, o melhor engodo de substituição que há da comunhão que Cristo deseja dar à sua igreja. É uma imitação: fornece bebidas alcoólicas em vez de graça, ilu­são em vez de realidade, mas uma comunhão permissiva, aceitável e envolvente. É inabalável. É democrática. A gente pode contar segredos às pessoas, e elas geralmente não os passam adian­te nem desejam fazê-lo. O bar floresce não por­que em sua maioria as pessoas sejam alcoólatras, mas porque Deus colocou no cora­ção humano o desejo de conhecer e ser conhecido, de amar e ser amado, e por isso muitos buscam uma falsificação pelo preço de algumas cervejas.
De todo o meu coração creio que Cristo quer que sua igreja seja ...
Uma comunhão onde as pes­soas possam vir e dizer: "Estou afundado'." "Estou derrotado!" "Tive a minha recompensa!” Deixe-me ser dolorosamente específico. Pa­ra onde você se volta quando sua vida chega ao fundo do poço? Ou quando você enfrenta um problema embaraçoso . . . talvez até es­candaloso.
Do que você necessita quando as circuns­tâncias rompem suas frágeis defesas e amea­çam engolfar sua vida com sofrimento e con­fusão?
Você necessita de um abrigo. De um ouvin­te. De alguém que entenda.
Mas para quem você se volta quando não há ninguém a quem possa contar seus proble­mas? Onde encontrar encorajamento?
Gostaria de chamar sua atenção para um homem que se voltou para o Senhor vivo e encontrou nele um lugar para descansar e refazer-se.Seu nome? Davi. Encurralado, ferido pela adversidade, e lutan­do com uma baixa auto-estima, ele escreveu estas palavras no seu diário de pesares:
Em ti, ó Senhor, me refugio; nunca seja eu envergonhado; livra-me pela tua retidão. Inclina para mim os teus ouvidos,livra-me depressa; sê a minha firme rocha,uma casa fortíssima que me salve.(Salmo 31:1-2)
Sentindo falhar as forças e ferido em espí­rito, Davi clama sua necessidade de "refúgio". O termo hebraico fala de um lugar protetor, um lugar de segurança, de garantia, secreto. Ele diz do Senhor que ele — Jeová Deus — tornou-se seu refúgio. Nele o homem pertur­bado encontrou estímulo.
Por que necessitamos de refúgio? Continuando a leitura deste Salmo, encontro três motivos manifestos:
Primeiro, porque estamos em angústia e a tristeza nos acompanha.
Tem misericórdia de mim, ó Senhor, pois estou angustiado; consumidos de tristeza estão os meus olhos, a minha alma e o meu corpo. A minha vida está gasta de tristeza (vv. 9-10a).
Os olhos ficam vermelhos de chorar. O peso da tristeza pressiona. A depressão, essa ser­pente de desespero, coleia silenciosamente através da porta dos fundos da alma.
A depressão é Debilitante, derrotante, profundamente desalentadora. Faz com que se caminhe cansadamente através Do supermercado, incapaz de se fazer uma simples escolha, ou de dar o troco correto. Diante de uma casa incrivelmente bagun­çada, pilhas de roupa por lavar, trabalho por fazer, ela nos torna incapaz de erguer um dedo. Sob seu efeito fico Duvidando de que Deus cuida, Duvidando em minhas orações, Duvidando mesmo que Deus esteja lá. Sentado, olhos cravados no espaço, Sinto-me como se estivesse Desesperadamente fora da Raça huma­na. Pesado! Mas é por isto que necessitamos de um refúgio.
Segundo, porque somos pecadores e a culpa nos acusa.
... A minha força descai por causa da minha iniquidade, e os meus ossos se consomem (v. 10b). Há vergonha entre essas linhas.Embaraço. "Por minha culpa." Que palav­ras duras de sufocar! "Eu sou culpado."
Um velho pastor inglês disse tudo isso quando escreveu:
Isto é o mais amargo de tudo - saber que não havia necessidade de sofrimento; que ele resul­tou da indiscrição e da inconsistência; que ele é a colheita daquilo que o próprio homem semeia; que o abutre que se alimenta dos órgãos vitais é filhote da própria educação do indivíduo. Ai de mim! Isto é sofrimento!'
Correndo apressado e caçado pela tristeza auto infligida, buscamos desesperadamente um lugar para esconder-nos. Mas talvez o mais devastador de todos os golpes seja o desferido por outros.
Terceiro, porque estamos cercados por ad­versários e a incompreensão nos assalta.
Por causa de todos os meus inimigos, fui o opróbrio dos meus vizinhos, e um horror para os meus conhecidos; os que me viam na rua fugiam de mim. Estou esquecido no coração deles, como um morto; ou como um vaso quebrado. Pois ouço a murmuração de muitos, terror por todos os lados; conspiram contra mim e intentam tirar-me a vida (vv. 11-13).
Vê como se trata dos feridos?
"Espanto . . . horror ... os que me vêm na rua fogem de mim . . . estou esquecido . . . tenho ouvido a murmuração . . . terror . . . conspiram contra mim. . . ." Parece um pági­na do seu diário?
Torturados pelo murmurar dos outros, sen­timo-nos como um rato ferido, sangrando nas garras de um gato faminto. O pensamento do que os outros andam dizendo é mais do que aguentamos ouvir. Os boatos (até seu próprio nome horripila) dão o empurrão final à medi­da que lutamos por equilíbrio à beira áspera do desespero.
As pessoas desanimadas não necessitam de críticos. Elas já estão bastante feridas. Não necessitam de mais culpa ou de angústia acu­mulada. Elas necessitam de estímulo. Neces­sitam de um refúgio.
Um lugar onde esconder-se e curar-se.
Alguém disposto, atencioso, disponível. Um confidente, um companheiro de lutas. Não se pode encontrar um sequer? Por que não partilhar do abrigo de Davi? Aquele que ele chamava de Minha Força, Minha Rocha, Castelo Forte, Cidadela, e Torre Alta.
O Refúgio de Davi nunca falhou. Nem uma vez sequer. E ele nunca se lamentou pelas vezes que deixou cair sua pesada carga e fugiu para o abrigo. Nem o fará você.

Extraído do Livro Dê-me Ânimo de Charles R. Swindoll
Por Litrazini
Postar um comentário