Pesquisar este blog

domingo, 1 de junho de 2014

A Seleção Vitoriosa

Essa é uma seleção que ganha todas. O primeiro convocado foi Abraão, que marchou para um campo desconhecido, e em tudo foi obediente às instruções do seu Superior. Depois vieram Isaque e Jacó. 
Para um ataque arrasador no campo do adversário, foi chamado Moisés. A primeira batalha foi ganha. Os selecionados, agora seiscentos mil homens, foram para uma concentração no deserto, onde receberam orientação para vencer o inimigo em seu próprio terreno.
Antes do primeiro embate na cidade de Jericó, onde até as muralhas caíram, tal a força do ataque, houve mudança de comando, mas a ordem continuou a mesma: vencer e vencer. O seleto grupo de homens e mulheres não seria apenas vencedor. Seria mais que vencedor. 
Esse grupo arrojado, crescendo em número a cada dia, venceu todas, exceto alguns poucos insucessos que experimentaram por não seguirem à risca a cartilha do Comando. Os rebeldes foram castigados a bem da disciplina e da ordem. 
Era preciso vencer um adversário que pintava e bordava. Adversário perigoso, e, além disso, ladrão e mentiroso. Foi quando surgiu um comandante que nunca perdeu batalha, conhecido como o Mestre, o Leão da Tribo de Judá, a quem foi dado todo o poder para derrotar o inimigo e cantar o hino da vitória.
O infalível Mestre começou por colocar ordem na casa. Convocou inicialmente apenas doze para o seu time. Nenhum deles tinha experiência nos combates que se seguiriam. Foram necessários mais de três anos para que esse grupo assimilasse a tática e a técnica. Animados pelo Mestre, em quem depositavam inteira e irrevogável confiança, seguiram avante com coragem, ousadia, fé e amor. 
Esses homens estavam tão empenhados na luta, que colocariam em risco suas vidas em favor da causa que abraçaram. Houve somente uma deserção no meio dos Doze, a de Judas Iscariotes, substituído por um reserva chamado Matias. 
Nos anos seguintes, os Doze continuaram fazendo novas convocações, ensinando todos os caminhos. Daí pra frente, essa Seleção não parou de crescer. Viajou por terras desconhecidas, por países estranhos, enfrentou a ira dos inimigos derrotados, mas a todos driblou.
Um dos convocados pelo Técnico, ensinou aos demais o seguinte: “Faço tudo isto por causa do evangelho, para ser também participante dele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo aquele que luta, em tudo se domina. Eles para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, a incorruptível”. 
Hoje, no Brasil, somos quarenta milhões em ação, empunhando a bandeira dessa seleção vitoriosa, dispostos a continuarem na caminhada que se iniciou junto ao mar da Galiléia. Os mais experientes tem sempre uma palavra encorajadora para os iniciantes, como fez Paulo:

“COMBATI O BOM COMBATE, ACABEI A CARREIRA, GUARDEI A FÉ. SOFRE, POIS, COMIGO, AS AFLIÇÕES COMO BOM SOLDADO DE CRISTO JESUS”.
Pr. Airton Evangelista da Costa

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/
Postar um comentário