Pesquisar este blog

domingo, 16 de julho de 2017

A IGREJA VIVA QUE PRECISAMOS SER

“...Os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra. Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a Cristo. As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo os sinais que ele operava. Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. E houve grande alegria naquela cidade”.(At,8.3-8)
Nós vivemos num tempo extremamente desafiador. As pessoas falam de igrejas vivas, dinâmicas, criativas, inovadoras e impactantes, mas nem imaginam o quanto é desafiador ser igreja de Cristo numa geração de mudanças radicais como a nossa. Essas pessoas não conseguem perceber que o tempo em que estamos vivendo é de grandes perseguições, ainda que invisíveis.
Resultado de imagem para A IGREJA VIVA QUE PRECISAMOS SERA cada dia tem sido difícil para a Igreja Evangélica do século XXI sobreviver numa sociedade hostil que não acredita mais numa verdade absoluta, na inerrância e nem na infalibilidade da Bíblia; que questiona a existência do Deus Eterno, que duvida da divindade de Jesus, que zomba da existência do Espírito Santo, que ignora ou nega a existência de satanás e do reino das trevas.
Tem sido difícil para a Igreja encarar uma sociedade cética, cansada de religião e desconfiada dos paradigmas, que julga a nossa pregação mero fanatismo religioso, que não aceita idéias de céu e de inferno e que repudia o conceito bíblico de juízo final.

POR QUE JESUS É CHAMADO DE FILHO DO HOMEM?

O Novo Testamento se refere a Jesus como o “Filho do Homem” 88 vezes. O que isso significa?
A Bíblia não diz que Jesus era o Filho de Deus? Então como Jesus também poderia ser o Filho do Homem?
O primeiro significado para o termo “Filho do Homem” é usado em referência à profecia de Daniel 7:13-14: “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.”
O termo “Filho do Homem” era um título Messiânico.
Jesus é o único a quem foi dado domínio, glória e o reino. Quando Jesus usou esse termo em referência a Si mesmo, Ele estava atribuindo a profecia do “Filho do Homem” a Si mesmo.

O DEUS QUE CARREGA OS NOSSOS FARDOS

Vocês, a quem tenho sustentado desde que foram concebidos, e que tenho carregado desde o seu nascimento. Mesmo na sua velhice […] sou eu aquele que os susterá. [Isaías 46.3-4]
A sátira de Isaías acerca da idolatria atinge o seu auge no capítulo 46. Somos apresentados às duas divindades principais da Babilônia: Bel (também chamado de Marduk) e Nebo (filho de Bel). Isaías descreve a maneira como esses ídolos eram fabricados pelas mãos de ourives (v. 6-7), e depois de prontos, carregados nos ombros de seus adoradores até o lugar onde eram colocados em determinada posição, porque elas não podiam se mover ou falar.
Subitamente, a Babilônia é tomada por Ciro, rei da Pérsia, e seus soldados passam a saquear os templos da cidade. “Bel se inclina, Nebo se abaixa” (v. 1). Isto é, esses ídolos inúteis são arrancados de seus pedestais e carregados de ponta-cabeça, como cadáveres, pelas ruas. Aqui eles são colocados sobre carroças e levados.

NASCENDO DE NOVO

“Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.” (Rm. 3.23,24).
Quando Jesus meio ao mundo, como homem, Ele nos remiu de todos os pecados, dores, enfermidades e transgressões. Mas, somente têm direito à salvação, aqueles que se arrependerem, crerem e proclamarem publicamente com seus próprios lábios que aceitam o sacrifício de Jesus Cristo, homem.
Não somos salvos pelas nossas boas obras, mas, pelo sacrifício redentor de Jesus ao ser crucificado na Cruz do Calvário. “Pois, é pela graça que sois salvos, por meio da fé – e isto não vem de vós, é Dom de Deus – não das obras, para que ninguém se glorie” (Ef. 2.8,9).

VIGIAR E ORAR

“...E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca...” Mateus 26:36-47
A vigilância requerida pelo Senhor era em benefício dos próprios Apóstolos, para que conseguissem suportar o que estava para acontecer.
Sabemos o que é ORAR, mas não entendemos bem o VIGIAR!
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DE UM VIGIA?
1. Ficar de Prontidão - V. 38-40
2. Guardar (=Proteger) - Um bem, um Tesouro, Algo...
3. Amedrontar o Inimigo (=Afugentá-lo, Afastá-lo)
4. Lutar (=Guerrear) contra o inimigo, vencê-lo, derrotá-lo
5. Manter a paz e a ordem
6. Manter a situação sob controle - Preservar o bem, ou condição atual.