Crescimento Espiritual

Pesquisar este blog

O QUE É EXATAMENTE O AMOR?

Em geral, os dicionários definem o amor como um sentimento de ternura, afeição, amizade, dedicação, afeto, paixão etc. Biologicamente, o amor é definido como um sentimento de adesão a pessoas de sexo igual ou diferente, tendo como base a simples atração sexual. Na concepção filosófica de Platão, o amor é o desejo de se atingir ao belo, no sentido de perfeição.
Para tentarmos responder a esta enigmática e corriqueira questão, faz-se mister saber – primeiramente – o que não é amor. Vejamos:
O AMOR NÃO É UM DOM
É muito comum ouvirmos as pessoas definirem o amor como um dom: "o dom supremo", "o dom perfeito", "o dom maior", "o dom por excelência", "o dom do amor" etc. Todavia, será que encontramos tais definições nas Escrituras? A resposta é um contundente NÃO! Em toda a Bíblia não há sequer uma referência que defina o amor dessa forma. No sentido de carisma, o amor jamais pode ser considerado um dom.

O PERDÃO E A CURA

“Porque se perdoardes aos homens as suas ofendas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens ( as suas ofensas), tão pouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas.“( Mt 6. 14-15).
Muitas pessoas têm sido prejudicas por familiares, sócios ou amigos, e buscam justiça, e como acreditam que a justiça deve ser buscada. E se não for feita justiça dentro dessas circunstancias, elas se tornam amarguras e cheias de ódio. Muitos desses indivíduos podem ter sintomas físicos que podem ser diretamente relacionados com essa atitude de rancor. Eles criam uma raiz de amargura que produz toxinas que passam ao seu organismo, e assim começam a passam ao seu organismo, e assim começam a sofrer distúrbios metais e físicos.
Quando somos prejudicados de uma forma ou de outra, temos que perdoar. Mesmo que nosso ofensor não nos peça perdão, precisamos perdoa-lo.
Jesus é o exemplo perfeito desse fato. Quando Ele estava pregado na cruz, ninguém lhe pediu perdão; pelo contrário, eles estavam zombando dEle e o atormentando. Mas Ele disse: “ Pai, perdoa-lhes. “ Portanto, o perdão não é um ato opcional; é um mandamento.

A ÁGUA VERDADEIRA


“Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la”. João 4.13-15
O INTERESSE DE JESUS: OFERECER ÁGUA VIVA.
Uma água que saciasse toda a sede espiritual daquela mulher: a sede de Deus.
Uma água que purificasse o seu coração sujo pelo pecado.
Uma água que trouxesse alívio às suas dores, as suas aflições, aos seus sofrimentos.
Uma água que oferecesse vida eterna.
O INTERESSE DA MULHER: PROVAR DE UMA ÁGUA MILAGROSA.
Uma água que saciasse toda sua sede física.
Uma água que lhe possibilitasse menos esforço físico.