Pesquisar este blog

domingo, 16 de julho de 2017

A IGREJA VIVA QUE PRECISAMOS SER

“...Os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra. Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a Cristo. As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo os sinais que ele operava. Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. E houve grande alegria naquela cidade”.(At,8.3-8)
Nós vivemos num tempo extremamente desafiador. As pessoas falam de igrejas vivas, dinâmicas, criativas, inovadoras e impactantes, mas nem imaginam o quanto é desafiador ser igreja de Cristo numa geração de mudanças radicais como a nossa. Essas pessoas não conseguem perceber que o tempo em que estamos vivendo é de grandes perseguições, ainda que invisíveis.
Resultado de imagem para A IGREJA VIVA QUE PRECISAMOS SERA cada dia tem sido difícil para a Igreja Evangélica do século XXI sobreviver numa sociedade hostil que não acredita mais numa verdade absoluta, na inerrância e nem na infalibilidade da Bíblia; que questiona a existência do Deus Eterno, que duvida da divindade de Jesus, que zomba da existência do Espírito Santo, que ignora ou nega a existência de satanás e do reino das trevas.
Tem sido difícil para a Igreja encarar uma sociedade cética, cansada de religião e desconfiada dos paradigmas, que julga a nossa pregação mero fanatismo religioso, que não aceita idéias de céu e de inferno e que repudia o conceito bíblico de juízo final.

POR QUE JESUS É CHAMADO DE FILHO DO HOMEM?

O Novo Testamento se refere a Jesus como o “Filho do Homem” 88 vezes. O que isso significa?
A Bíblia não diz que Jesus era o Filho de Deus? Então como Jesus também poderia ser o Filho do Homem?
O primeiro significado para o termo “Filho do Homem” é usado em referência à profecia de Daniel 7:13-14: “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.”
O termo “Filho do Homem” era um título Messiânico.
Jesus é o único a quem foi dado domínio, glória e o reino. Quando Jesus usou esse termo em referência a Si mesmo, Ele estava atribuindo a profecia do “Filho do Homem” a Si mesmo.

O DEUS QUE CARREGA OS NOSSOS FARDOS

Vocês, a quem tenho sustentado desde que foram concebidos, e que tenho carregado desde o seu nascimento. Mesmo na sua velhice […] sou eu aquele que os susterá. [Isaías 46.3-4]
A sátira de Isaías acerca da idolatria atinge o seu auge no capítulo 46. Somos apresentados às duas divindades principais da Babilônia: Bel (também chamado de Marduk) e Nebo (filho de Bel). Isaías descreve a maneira como esses ídolos eram fabricados pelas mãos de ourives (v. 6-7), e depois de prontos, carregados nos ombros de seus adoradores até o lugar onde eram colocados em determinada posição, porque elas não podiam se mover ou falar.
Subitamente, a Babilônia é tomada por Ciro, rei da Pérsia, e seus soldados passam a saquear os templos da cidade. “Bel se inclina, Nebo se abaixa” (v. 1). Isto é, esses ídolos inúteis são arrancados de seus pedestais e carregados de ponta-cabeça, como cadáveres, pelas ruas. Aqui eles são colocados sobre carroças e levados.